Page tree
Skip to end of metadata
Go to start of metadata

Para criar as consultas ao banco de dados, o Cronapp utiliza um assistente de consulta visual, que facilita a criação de consultas ao banco de dados.

Visão Geral 

As consultas são realizadas em JPQL (Java Persistence Query Language), que é uma linguagem de consulta ORM que atua sobre classes e objetos, diferentemente do SQL que realiza as consultas baseadas em tabelas. Apesar de a diferença estrutural, a linguagem JPQL é bem semelhante ao SQL, porém a primeira possui a vantagem de que a mesma consulta pode ser realizada em todos os bancos de dados.

O Cronapp possui um Assistente de consulta visual para facilitar a criação de consultas JPQL. O assistente de consulta é utilizado tanto em blocos de programação quanto em fontes de dados, mas existem pequenas diferenças entre o assistente de consulta do bloco e da fonte de dados. O assistente permite criar consultas de forma visual (low-code) ou manual (high-code).

 

Figura 1.1 - Assistente de consulta visual (Bloco de programação)


  1. Estrutura de Consulta: Possui as opções para a criação da consulta, como selecionar as entidades, campos, criar regras e outros.
  2. Modo de Consulta: Altera a exibição dos dados em modo de teste da consulta, que pode ser por tabelas ou objetos (Figuras 1.2 e 1.3). 
  3. Aplicar dados da requisição: Aplica as requisições (paginação, ordenação e outros) diretamente na consulta (ver mais detalhes em aqui).
  4. Habilitar Paginação: Realiza a paginação dos dados em uma página de forma automática (ver mais detalhes em aqui).
  5. Testar Consulta: Exibe o resultado da consulta criada em uma nova janela, altere o campo Modo de Consulta para modificar a forma de exibição (Figuras 1.2 e 1.3).
  6. Editar como Texto: Muda a janela para editar a consulta manualmente (high-code). Após alterar uma consulta manualmente, não será possível editar novamente em modo visual.
  7. Visualizar como Texto: Exibe a consulta feita no formato visual em forma de texto.
  8. OK e Cancelar: Salva ou cancela a consulta.


   Figura 1.2 - Exibição de consulta em modo objetos


Figura 1.3 - Exibição de consulta em modo tabela

Estrutura da consulta

Agora vamos entender melhor as opções disponíveis na estrutura da consulta. 


Figura 2.1 - Estrutura visual da consulta


  1. Entidade: Adiciona as entidades que farão parte da consulta.
  2. Campos: Define quais campos serão buscados na consulta.
  3. Regras: Regra que será considerada ao buscar os dados no banco.
  4. Agrupar: Agrupa linhas que têm os mesmos valores.
  5. Having: Cria regras para serem usadas juntos com os campos agrupados.
  6. Ordenar: Define a ordem em que os dados serão retornados.

Entidade

Adiciona as entidades que farão parte da consulta. Equivale a seleção de tabelas após sentença "FROM" em uma consulta SQL.

Em consultas JPQL não é necessário usar o "JOIN", pois na área de seleção dos campos já mapeia todos os campos das entidades relacionadas. Exemplo: Entidade A tem relação com B, a entidade B tem relação com C e C possui um campo chamado "nome", dessa forma, basta selecionar a entidade A e na área Campos (abaixo) selecionar a opção "A.B.C.nome", criando um JOIN automaticamente. 


Figura 2.2 - Área de seleção das entidades


  • Entidade: Exibe a entidade recém selecionada.
  • " ... " : Abre a janela para seleção da entidade.
  • Alias: Permite adicionar um apelido.
  • + Adicionar: Adiciona a entidade selecionada a consulta.
  • Excluir: Exclui entidade adicionada.
  1. Exibe a entidade selecionada.
  2. Exibe o alias da entidade selecionada,


Para adicionar as entidades que farão parte da consulta, clique no botão "...", selecione a classe desejada e finalize clicando em "+ Adicionar".

Campos

Define quais campos serão buscados na consulta. Equivale a seleção dos campos das tabelas após sentença "SELECT" em uma consulta SQL.


Figura 2.3 - Área de seleção dos campos


É possível adicionar os campos desejados através do botão "Novo Campo" ou adicionar todos os campos da entidade de uma só vez clicando em "Adicionar Todos". 

  • + Novo Campo: Adiciona um novo campo na consulta.
  • + Adicionar Todos: Insere todos os campos das entidades selecionadas.
  • Excluir: Exclui o campo.
  1. Tipo de retorno: Define como o valor do campo será retornado. Os tipos são:
    • Obter:  Retorna o valor do campo como está no banco;  
    • MIN: Retorna o menor valor dos campos;
    • MAX: Retorna o maior valor dos campos;
    • AVG: Retorna a média aritmética dos valores dos campos registrados no banco;
    • SUM: Retorna a soma dos valores do campo;
    • COUNT: Retorna a quantidade de registros do campo.
  2. Campo selecionado: Seleciona qual o campo será consultado. 

Ao selecionar somente o alias (exemplo do campo "lg" na imagem 2.3) a consulta retorna todos os campos, nesse caso, não seria necessário selecionar o segundo campo "lg.providerDisplayName".

Não é necessário fazer JOIN em consultas JPQL, o exemplo do campo "lg.user.name" retornará o nome do usuário que faz relação com o login selecionado.

Regras

Nessa propriedade é definida a regra que será considerada ao buscar os dados no banco. Por meio do botão "Nova Regra" é possível adicionar regras e selecionar um condicional único entre as regras ou adicionar vários grupos de regras e selecionar condicionais para cada grupo individualmente através do botão "Novo Grupo". Equivale ao filtro após sentença "WHERE" em uma consulta SQL.


Figura 2.4 - Área de seleção das regras da consulta


  1. Negação e operador lógico: nega a sentença vinculada, adicionando um "not" antes, e define se o operador lógico entre as sentenças vinculadas será "e" ou "ou".
  2. Inverter: alterna o operador lógico e os campos condicionais das sentenças vinculadas, por exemplo: se estiver selecionado "ou", será substituído por "e", isso também ocorrerá no campo condicional (campo 4 da figura 2.4), que alternará de "igual" para "diferente".
  3. Campo da entidade: campo da entidade que será utilizado para a criação da regra.
  4. Condição: define a condição que deve existir entre o campo e o parâmetro, são elas
    • Igual;
    • diferente;
    • contido;
    • não contido;
    • iniciando com;
    • não iniciando com;
    • contém;
    • não contém;
    • terminando com;
    • terminado sem;
    • é vazio;
    • não é vazio;
    • é nulo;
    • não é nulo.
  5. Parâmetro: Define-se o nome do parâmetro que será comparado com o campo da entidade. É possível inserir o conteúdo literal, ou definir uma variável que será passada por parâmetro, adicionando ":" (dois pontos) na frente da variável.
  6. ↑ ↓ : Permite arrastar uma regra ou grupo para dentro de um grupo ou ordená-los,


A regra (where) definido na figura 2.4 ficará da seguinte forma:

Regra
WHERE
usr.name = :name AND (NOT (lg.user.phoneNumber LIKE (CONCAT('%', '(71)', '%')) ))

Agrupar

Possui a função de agrupar linhas que têm os mesmos valores em um ou mais campos específicos. Equivale a sentença "GROUP BY" em uma consulta SQL.


Figura 2.5 - Área de seleção do Agrupar


  1. Campo a ser agrupado: Seleciona qual o campo será agrupado.
  • + Novo Campo: Adiciona outro campo para agrupar.
  • Excluir: exclui o campo selecionado.

Having

A propriedade having funciona de forma semelhante a propriedade Regra, entretanto ela cria uma regra para os grupos criados com a propriedade agrupar. Por isso, o having sempre deve ser usado junto com o agrupar.


Figura 2.6 - Área de seleção das regras do Having


  1. Tipo de dados da condição: É definido qual o tipo será retornado do banco para ser comparado na regra criada pelo having. Os tipos são:
    • MIN: Retorna o menor valor dos campos;
    • MAX: Retorna o maior valor dos campos;
    • AVG: Retorna a média aritmética dos valores do campo registrados no banco;
    • SUM: Retorna a soma dos valores dos campos e
    • COUNT: Retorna a quantidade de registros do campo.
  2. Campo: Campo usado para a comparação com o parâmetro.
  3. Condição: Condição que será utilizado para comparar o valor obtido no campo e o parâmetro. São eles:
    • Igual;
    • Diferente;
    • Menor;
    • Menor ou igual;
    • Maior;
    • Maior ou igual.
  4. Parâmetro: Valor que será comparado com o tipo de dado retornado.

Ordenar

Nessa opção é definida a ordem de retorno dos itens. Por exemplo, é possível trazer os dados organizados do menor id para o maior ou o contrário.


Figura 2.7 - Área de ordenação da consulta


  1. Tipo de dado: Define qual o tipo de dado que será utilizado para ordenar os dados.
    • Obter:  Retorna o valor do campo como está no banco;  
    • MIN: Retorna o menor valor dos campos;
    • MAX: Retorna o maior valor dos campos;
    • AVG: Retorna a média aritmética dos valores dos campos registrados no banco;
    • SUM: Retorna a soma dos valores do campo;
    • COUNT: Retorna a quantidade de registros do campo.
  2. Campo: Campo que será utilizado para a ordenação.
  3. Tipo de ordenação: Define o tipo de ordenação que será considerada na propriedade.
    • Asc: Ascendente;
    • Desc: Descendente.

Diferença entre consultas: Visual, JPQL e SQL

Como informado anteriormente, o Assistente de consulta visual gera uma consulta em JPQL que se parece muito com consultas SQL. Veja abaixo uma imagem representando uma consulta usando o Assistente Visual (Figura 3.1), a consulta JPQL gerada pelo Assistente visual e o equivalente em MySQL.

O JPA/JPQL não possui suporte para UNION, INTERSECT e EXCEPT, dessa forma, consultas mais complexas necessitam dessas funcionalidades, use o modo high code (código), clicando no botão Visualizar como Texto.


Figura 3.1 - Exemplo de consulta visual 


A consulta gerada pela configuração do assistente visual da Figura 3.1:

SELECT		c.estado.nome FROM Cidade c
WHERE		c.quantidadeHabitantes <> :minimo
GROUP BY	c.nome
HAVING 		SUM(c.quantidadeHabitantes) > :quantidadeHabitantes
ORDER BY 	c.estado ASC


Exemplo da mesma consulta feita para o MySQL:

SELECT      c.nome FROM db_componentesvisuais2.CIDADE c
JOIN		db_componentesvisuais2.ESTADO e on c.fk_estado = e.id
WHERE       c.quantidadehabitantes <> '%minimo%'
GROUP BY    c.nome
HAVING      SUM(c.quantidadehabitantes) > '%quantidadeHabitantes%'
ORDER BY    e.id ASC

Fonte de dados vs Bloco de programação 

Existem duas formas de obter dados para alimentar uma Fonte de dados:

  • Selecionar uma Entidade e criar um filtro através do Assistente de consulta na aba Filtro da Fonte de dados ou
  • Alimentar a Fonte de dados através do bloco de programação Abrir consulta e usar o Assistente de consulta do próprio bloco (Figura 4.1).


Figura 4.1 - Fonte de dados alimentada por bloco de programação com opção Habilitar paginação ativa


O Assistente de consulta visual possui duas funcionalidades a mais quando aberto pelo bloco de programação, essas duas funcionalidades são:  Aplicar Dados da Requisição e Habilitar Paginação. (Figuras 4.2).


Figura 4.2 - Assistente de Consulta Visual aberto via Bloco de programação


Figura 4.3 - Assistente de Consulta Visual aberto via Fonte de dados

Aplicar dados da requisição

O Cronapp permite uso de um bloco como fonte de dados. Na maioria das vezes, o intuito é usar uma consulta com a função "Abrir Consulta". Nas versões anteriores existia uma opção chamada Paginação Automática. Essa opção aplicava os dados de paginação da requisição da fonte de dados à consulta. O Cronapp evoluiu essa opção que passou a se chamar Aplicar Dados da Requisição. Essa opção agora aplica paginação, ordenação, filtros e qualquer outro dado da requisição ODATA à consulta. Com isso, todas as operações de interface serão enviadas à consulta, fazendo com que a fonte de dados funcione integralmente com a consulta do Bloco de Programação.

Habilitar paginação

Caso queira paginar os dados exibidos na tela, utilize o bloco Abrir consulta e selecione a opção Habilitar paginação, ao fazer isso, o bloco exibirá os parâmetros limit e offset (Figura 4.1).

  • limit: define a quantidade de linhas retornadas na consulta;
  • offset: define a partir de qual linha retornará.

Exemplo: Em uma consulta com 100 registros, ao inserir os parâmetros limit com 20 e o offset com 10, o resultado retornará do registro 10 até o 30.

Blocos que utilizam o Assistente visual JPQL

A estrutura do Assistente visual da figura 3.1 é exibida apenas para o bloco Abrir consulta, os blocos Inserir, Atualizar e Remover possuem diferenças em sua estrutura. Acesse os links abaixo para mais detalhes.


Figura 5.1 - Blocos que utilizam o Assistente de consulta visual


Blocos do tipo servidor de acesso ao banco de dados:

  1. Inserir: Adiciona uma nova entidade ao banco de dados por meio do assistente visual do JPQL, para saber mais sobre o bloco clique aqui.
  2. Abrir consulta: Realiza uma consulta no banco de dados por meio do assistente visual do JPQL, para saber mais sobre o bloco clique aqui.
  3. Atualizar: Atualiza uma entidade no banco de dados por meio do assistente visual JPQL, para saber mais sobre o bloco clique aqui.
  4. Remover: Remove uma entidade do banco de dados por meio do assistente visual JPQL, para saber mais sobre o bloco clique aqui.
  5. Criar entidade: Cria um objeto para usar junto a um dos blocos acima. para saber mais sobre o bloco clique aqui.

Bloco Inserir

A inserção de um dado através do bloco pode ser de dois tipos: objeto (Figura 5.2.1 e 5.2.2) e campos (Figura 5.2.3 e 5.2.4). Para ela ocorrer por objeto, selecione a entidade, salve (Figura 5.2.1) e passe o objeto contendo os dados da entidade (Figura 5.2.2).


Figura 5.2.1 - Adicionando uma entidade como objeto


Figura 5.2.2 - Passando objeto ao bloco inserir


No caso da inserção através dos campos, clique no botão Novo Campo para adicionar os campos da entidade. Após a definição da entidade e dos campos, o bloco de programação exibido na função passa a apresentar parâmetros de entrada referentes ao campos adicionados (Figuras 5.2.3 e 5.2.4).


Figura 5.2.3 - Adicionando os campos da entidade


Figura 5.2.4 - Passando os dados para os parâmetros do bloco

Bloco Atualizar

Assim como a inserção, a atualização pode ser de dois tipos: objeto (Figura 5.3.1 e 5.3.2) e campos (Figura 5.3.3 e 5.3.4). Para a atualização ocorrer por objeto, selecione a entidade na janela de configuração do bloco (botão "..."), clique em OK e passe o objeto contendo os dados que serão atualizados.


Figura 5.3.1 - Adicionando uma entidade como objeto


Figura 5.3.2 - Passando objeto modificado ao bloco atualizar


Para que a atualização seja do tipo campos, será necessário definir os campos que serão atualizados (através do botão Novo Campo). Após a escolha da entidade e dos campos, existe a possibilidade da criação de regras que permitem que condições de filtro sejam aplicadas nas atualizações.


Figura 5.3.3 - Adicionando o campo que será atualizado e a regra


Figura 5.3.4 - Atualizando o campo name pelo ID do usuário


Observação

As regras definidas com valor dinâmico geram um parâmetro de entrada na função. No exemplo da figura 5.3.4, gerou o parâmetro id.

Bloco Remover

O bloco remover também apresenta dois tipos:  objeto (Figura 5.4.1) e campos (Figura 5.4.2). Para a remoção do tipo objeto ocorrer, é necessário indicar qual é o emento que será removido, seja ele pelo ID ou outro campo.


Figura 5.4.1 - Adicionando uma entidade como objeto


Figura 5.4.2 - Passando objeto que será removido através do ID


No caso da remoção pelos campos, será apresentado o campo para definir a regra que fará a exclusão do elemento da entidade, podendo ser o ID ou qualquer outro campo.


Figura 5.4.3 - Adicionando regra que fará um usuário ser removido


Figura 5.4.4 - Remoção de um usuário através do ID

Bloco Criar Entidade

Ele cria um objeto de uma entidade, permitindo selecionar os campos que serão alimentados via bloco. Após selecionada a entidade e seus campos (Figura 5.5.1), eles passam a ser parâmetros do bloco (Figura 5.5.2).

Figura 5.5.1 - Adicionar entidade e seus campos


Figura 5.5.2 - Campos viram parâmetros do bloco

Nessa página

  • No labels